Luta pela progressão será judicializada e médicos do município não descartam paralisação

Postada em 19 de junho de 2018 as 23:58
Compartilhe:


A assembleia dos médicos do município de Salvador, realizada na noite desta terça-feira (19), definiu encaminhamentos e medidas a serem tomadas em função da extinção da progressão automática dos servidores da Saúde, votada pela Câmara Municipal, no dia 18.

A presidente do Sindimed, Ana Rita de Luna, lembrou que apesar do artigo que estabelecia a progressão automática ter sido suprimido, a lei da progressão permanece em vigor. “O que temos que fazer agora é lutar para que a Prefeitura implemente um regramento que viabilize, na prática, a progressão”.

Os médicos aprovaram a judicialização do assunto, remetendo ao Departamento Jurídico do Sindimed a tarefa de estudar a melhor estratégia de ação. A assembleia definiu ainda que os médicos não farão greve isoladamente, mas acompanharão qualquer paralisação que venha a ser deflagrada pelo conjunto dos servidores municipais.

Judicialização

Visando assegurar a implementação das avaliações de desempenho, previstas na lei 7867 que, desde 2010, nunca saíram do papel, a assembleia foi assessorada pelo advogado do Sindimed, Celso Vedovato, que expôs aos médicos algumas possibilidades jurídicas para esse enfrentamento.

Entre as medidas cabíveis, Vedovato analisou prós e contras de um Mandado de Injunção, para criar o regramento da avaliação. Como outra opção, o advogado aventou o Mandado de Segurança, argumentando a omissão da Prefeitura em implementar os mecanismos que assegurem a progressão.

Ao final da assembleia, vários profissionais se comprometeram a se engajar em uma campanha de mídia, nas redes sociais para esclarecer a população e a própria categoria sobre o movimento dos médicos.

 



Uma resposta para “Luta pela progressão será judicializada e médicos do município não descartam paralisação”

  1. Pedro Pina Coelho disse:

    O sindimed poderia incluir na pauta não somente a progressão mas também o dito golpe que tem sido dado à Medicina de Família e Comunidade!
    Atender 12 pacientes por turno com a qualidade devida é inviável e quando incluímos nisso a parte educacional de alunos e residentes é uma missão impossível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by Ajaxy

Denuncie quem não paga:

Acompanhe o Sindimed:

    


  • sindimed.com.br ©2016 Todos os direitos reservados.