• Sindicato dos médicos
    Sindimed Sindimed

    Médicos de Nova Viçosa fazem paralisação

    Postada em 29 de dezembro de 2017 as 14:54
    Compartilhe:


    Profissionais denunciam atrasos de salários e postura autoritária do diretor clínico do hospital

    Médicos de Nova Viçosa, extremo sul da Bahia, resolveram suspender os plantões a partir de hoje (29), devido a graves problemas de gestão no Hospital Municipal de Posto da Mata e da Clínica Municipal da cidade. Os profissionais afirmam que estão sem receber salários há mais de quatro meses sem qualquer explicação por parte da gestão dos locais, que são administrados pela prefeitura.

    Além disso, os profissionais convivem com o que chamaram de autoritarismo do diretor clínico que, de acordo com os relatos, está no cargo de forma impositiva, através de arranjos políticos. Os médicos afirmaram que o atual gestor foi eleito sem decisão do corpo clínico e que devido a isso ele não tem legitimidade.

    Um episódio relatado por um dos médicos chama atenção. O profissional contou ao Sindimed que em ocasião em que não pôde atender no plantão, o diretor contratou outro plantonista e colocou no seu lugar e ainda exigiu que ele transferisse o seu salário para o recém-contratado. Esse mesmo médico denunciou ainda que já ficou desempregado 10 meses, porque o diretor, de forma arbitrária, o demitiu.

    Gestão truculenta

    A atual paralisação já virou caso de polícia. O diretor, mais uma vez, burlando o código de ética médica, contratou um plantonista para substituir os médicos que estão mobilizados. Quando sua postura foi questionada, o diretor chamou a polícia para expulsar o médico que o questionou do local. O profissional em questão já afirmou que irá prestar queixa dessa situação.

    A conjuntura de insatisfação com as atitudes do diretor é generalizada. Vários são os casos de arbitrariedades relatados. Demissões sem justificativa plausível, perseguição e retaliação. Além disso, os profissionais afirmam que o gestor, que é pediatra, não cumpre a carga horária mínima exigida por lei pela sua função.

    O Sindimed está dando todo apoio aos médicos e já se comprometeu a acionar o Ministério Público do Trabalho, Ministério Público Estadual, Cremeb, Secretária de Saúde e a Prefeitura do município.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



  • sindimed.com.br ©2016 Todos os direitos reservados.