Não faltam médicos baianos, o que falta é valorização profissional

Postada em 20 de dezembro de 2019 as 19:40
Compartilhe:


O prefeito ACM Neto vem dizendo na mídia que está pensando em trazer de volta a Salvador os médicos cubanos, com o argumento de que os concursos realizados pela Prefeitura não atingiram as metas de contratação. Mais uma vez, entretanto, como diz o povo, é uma tentativa de tapar o sol com a peneira. O problema não é falta de médicos, mas os salários oferecidos incompatíveis com a formação dos profissionais.

A bem da verdade, numericamente há médicos em quantidade mais que suficiente. Além do volume de profissionais que já existem no mercado de trabalho, as escolas de medicina da Bahia formam aproximadamente 1000 médicos por ano.

Essa estratégia de trazer os pseudomédicos cubanos, pagando menos e submetendo a população a um atendimento de qualidade duvidosa pode colocar a saúde das pessoas sob alto risco.

O que o prefeito precisa entender é que não faltam médicos baianos, falta é valorização profissional. Apenas a realização de concursos públicos, sem oferecer remuneração compatível com a formação técnica dos profissionais e ainda em ambientes de risco e com estrutura e condições de trabalho precárias não parece ser a melhor estratégia para preencher os postos de trabalho.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Denuncie quem não paga:

Acompanhe o Sindimed:

    
  • [yop_poll id=”1″]

  • Enquete

    Novos Convênios

    O Sindimed está atualizando e ampliando sua carteira de convênios e parcerias.

    Participe dessa enquete fazendo sugestões de produtos e serviços que você gostaria de ver incluídos no Guia de Convênios do Sindicato.

    A exemplo de: Cursos, Escolas, Lojas,Restaurantes, Salões de Beleza, Postos de Gasolina etc...



  • sindimed.com.br ©2019 Todos os direitos reservados.