Sindimed-BA alerta sobre risco iminente de desassistência à população

Postada em 29 de maio de 2019 as 17:54
Compartilhe:


O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia vem a público alertar que, a partir do dia 31 de maio, a população passará a enfrentar um grande risco de desassistência na área de saúde. 221 médicos, lotados em hospitais e outras instituições ligadas à Sesab, em toda a Bahia, terão que deixar os seus postos de trabalho, sem que se tenha notícia de que outros tenham sido contratados por qualquer meio.

Esse risco de desassistência, que tem o potencial de ampliar as tão conhecidas filas de atendimento e as macas em corredores de hospitais, decorre da forma como a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia vem estruturando seus serviços. “Há dez anos, o Governo Estadual não faz concurso público para médico, preferindo apostar na privatização dos serviços. E foi por adotar essa linha de ação que, há tempos, o Governo preferiu contratar serviços adicionais, que foram prestados por médicos estatutários através de pessoas jurídicas, do que ampliar o quadro de servidores através do concurso público” relata a presidente do Sindimed-BA, Dra. Ana Rita de Luna Freire Peixoto.

Segundo a presidente, essa situação já dura 10 anos, sem que Sesab tenha se preocupado em criar uma alternativa que fosse, ao mesmo tempo, legal e viável do ponto de vista da assistência. Ela destaca que “ao longo desse período, vimos serem realizados vários concursos, a exemplo do de professores, policiais militares e outras categorias de servidores. Mas nenhuma vaga de concurso foi aberta para os médicos”.

A presidente lamenta que a atual gestão da Sesab esteja agindo com falta de respeito e transparência para com a categoria, na medida em que se recusa a prestar informações relevantes, a exemplo do número de cargos de médico vagos no momento. Afirma, ainda, que o Sindimed-BA tem cobrado ao Estado medidas efetivas que impeçam o aumento da desassistência tendo em vista que, “na prática, a partir do dia 31 de maio, sexta-feira, teremos 221 posições de trabalho a menos nos hospitais, em razão do afastamento imposto aos médicos e gestores. Isso gerará uma grande lacuna no atendimento à saúde da população carente”, alerta.

O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia vem a público alertar que, a partir do dia 31 de maio, a população passará a enfrentar um grande risco de desassistência na área de saúde. 221 médicos, lotados em hospitais e outras instituições ligadas à SESAB, em toda a Bahia, terão que deixar os seus postos de trabalho, sem que se tenha notícia de que outros tenham sido contratados por qualquer meio.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Denuncie quem não paga:

Acompanhe o Sindimed:

    
  • [yop_poll id=”1″]

  • Enquete

    Novos Convênios

    O Sindimed está atualizando e ampliando sua carteira de convênios e parcerias.

    Participe dessa enquete fazendo sugestões de produtos e serviços que você gostaria de ver incluídos no Guia de Convênios do Sindicato.

    A exemplo de: Cursos, Escolas, Lojas,Restaurantes, Salões de Beleza, Postos de Gasolina etc...



  • sindimed.com.br ©2019 Todos os direitos reservados.