Dia Mundial do Doador de Medula Óssea: conscientização é fundamental

Postada em 19 de setembro de 2020 as 09:46
Compartilhe:


 

O Dia Mundial do Doador de Medula Óssea busca conscientizar a população sobre a importância de ser doador, contribuindo no tratamento de pacientes com doenças graves como leucemia, linfomas, mielomas múltiplos e anemias muito graves, por exemplo.

Atualmente, há cerca de 4 milhões de pessoas cadastradas no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), mas é preciso muito mais, visto que a chance de encontrar um doador compatível é pequena.

O Redome  é o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo e integra a estrutura do Ministério da Saúde, sendo o maior banco com financiamento exclusivamente público.  O registro americano conta com quase 7,9 milhões de doadores e o alemão, com cerca de 6,2 milhões, mas ambos foram desenvolvidos e são mantidos com recursos primordialmente privados.

No Brasil, o sistema foi criado em 1993, em São Paulo, para reunir informações de pessoas dispostas a doar medula óssea para quem precisa de transplante. Desde 1998, é coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), no Rio de Janeiro.

O Centro de Transplantes de Medula Óssea (Cemo/Inca) é responsável pela coordenação técnica e a Fundação do Câncer pela operação do Redome, conforme a Portaria nº 2.600, de 21/10/2009, do Ministério da Saúde.

 

Fonte: http://redome.inca.gov.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Seguro Saúde

Perdeu seu posto de trabalho?

COVID-19 EPIs

Denuncie quem não paga:

Acompanhe o Sindimed:

    


  • sindimed.com.br ©2019 Todos os direitos reservados.