Hapvida: mobilização de paralisação garante atendimento das reivindicações

Postada em 7 de fevereiro de 2020 as 16:05
Compartilhe:


Em reunião, no Sindimed, empresa atende reivindicações e paralisação é suspensa

Após o anúncio da suspensão dos atendimentos pediátricos – marcada para iniciar no dia 7 de fevereiro -, a Hapvida negociou com o Sindimed a pauta de reinvindicações dos médicos que atuam na empresa, aceitando os justos pleitos da categoria. As negociações lograram êxito, inclusive, em garantir a não retaliação ao movimento, que consta de ata aditiva.

Duas reuniões em caráter extraordinário com o Sindimed foram realizadas para as negociações, uma na noite do dia 6 e outra na manhã do dia 7, quando foram discutidos os pleitos apresentados. A empresa concordou com a totalidade das reivindicações, deixando em aberto apenas a decisão final sobre o reajuste dos valores das consultas, que será objeto de negociação em março.

Ao final das negociações, a presidente do Sindicato, Dra. Ana Rita de Luna, destacou a importância da mobilização médica para os resultados obtidos. “Os médicos têm nas mãos os instrumentos para fazerem valer seus direitos. Mais uma vez, a união em torno de um movimento coeso comprovou isso”, afirmou a presidente.

Movimento firme

A mobilização dos médicos da Hapvida teve início em janeiro, após imposições administrativas que quebram os contratos de trabalho, com redução da remuneração, além de ferirem resoluções do Conselho de Medicina que resguardam a autonomia dos médicos em suas condutas profissionais.

Após se colocarem em assembleia permanente os médicos, através da representação do Sindimed, passaram a buscar a via da negociação para garantirem seus direitos, mas encontraram resistência da empresa ao diálogo. Uma reunião que havia sido agendada para o dia 3, por exemplo, foi simplesmente cancelada pela Hapvida.

Veja as reivindicações conquistadas pelos médicos:

  • Nenhuma consulta feita além de 30 dias será computada como revisão.
  • Quando o paciente retornar, mesmo dentro desse prazo, para um médico diferente do que o atendeu inicialmente, será considerada como nova consulta.
  • Serão pagas retroativamente – desde novembro de 2019 -, as consultas ocorridas além dos 30 dias do primeiro atendimento que tenham sido “glosadas” ou computadas como revisões.
  • A empresa negociará com o Sindimed o reajuste dos valores das consultas.
  • A Hapvida se compromete em não fazer qualquer ação de retaliação aos médicos em razão do movimento reivindicatório.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Denuncie quem não paga:

Acompanhe o Sindimed:

    
  • [yop_poll id=”1″]



  • sindimed.com.br ©2019 Todos os direitos reservados.